APELAÇÃO CÍVEL Nº 1 4 8616-5/188 (200903377130) D E
GOIÂNIA
APELANTE SERASA S/A
APELADO NILTON CARVALHO DE SOUZA JUNIOR
RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER
CÂMARA 4ª CÍVEL
RELATÓRIO
A empresa SERASA S/A, qualificada e representada, nos autos da ação de indenização que
lhe move NILTON CARVALHO DE SOUZA JUNIOR, também qualificado e representado, irresignada com a sentença de fls. 141/148, proferida pelo MM. 2º Juiz de Direito da 12ª Vara Cível desta Capital,
Dr. Sérgio Mendonça de Araújo, pela qual julgou procedentes os pedidos iniciais formulados naquela
ação, dela apelou a esta Corte, visando sua reforma (fls. 151/162).
Decidindo, o ilustre magistrado condenou a empresa ré a reparar o dano alegado,
cujo valor indenizatório fixou em R$4.000,00 (quatro mil reais), acrescidos de juros de mora de
1% ao mês e correção monetária pelo INPC, a contar da data da citação.
Finalmente, condenou a empresa requerida no pagamento das custas processuais e
honorários advocatícios, estes fixados em 10% sobre o valor da condenação (art. 20, § 3º, do
CPC). Em suas razões recursais (fls. 152/162), a empresa recorrente alega quanto à
inexistência do requisitos do dever de indenizar, como a inexistência do dano, a culpa e o nexo
causal entre eles (art. 186 do CC).
Acrescenta que a comunicação prevista no art. 43, § 2º, do CDC, não se apresenta
necessária no caso em comento, uma vez que a restrição teve origem em informação pública,
emanada do Cartório Distribuidor Judicial, tendo agido no exercício regular de sua atividade
lícita, nos termos da Lei 8.078/90, estando a sua conduta acobertada, portanto, pelo artigo 160, I,
do Código Civil.

Requereu, ainda, a redução da verba fixada, por entende-la exorbitante e sem qualquer
fundamento, alegando que decisão contrária favorecerá o enriquecimento ilícito da parte
recorrida e, com base em tais assertivas, pediu a reforma da sentença, nos moldes expostos.
As contra-razões ao recurso vieram às fls. 170/172, pugnando o apelado pela manutenção
da sentença, nos exatos termos conforme proferidos.
É, em síntese, o relatório.
Ao douto Revisor.
Goiânia, 29 de setembro de 2009.
Desembargador CARLOS ESCHER
RELATOR
2/L
3
APELAÇÃO CÍVEL Nº 1 4 8616-5/188 (200903377130) D E
GOIÂNIA
APELANTE SERASA S/A
APELADO NILTON CARVALHO DE SOUZA JUNIOR
RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER
CÂMARA 4ª CÍVEL
V O T O
Presentes os requisitos de admissibilidade recursal, conheço do apelo.
O cerne da demanda consiste na inscrição indevida do nome do apelado junto aos
órgãos de restrição ao crédito, sem a prévia notificação, sob a alegação de que o mesmo estava
em débito com a empresa apelante. É sabido que a condição de devedor,
por si só, não é suficiente para que seu nome seja
negativado. Como se vê dos autos, em momento

algum ocorreu a notificação do recorrido, fato sequer refutado pela empresa apelante.
Indiscutível, portanto, o dever da empresa recorrente em indenizar o recorrido, já
que a negativação ocorreu de forma a não se acercar a referida empresa das cautelas
necessárias à medidas tão drásticas, que envolvem o próprio direito da personalidade.
Sobre o tema em questão, esta Corte já assentou o seguinte entendimento:
“(...). I - É lícito ao SERASA valer-se dos dados constantes no cartório de
distribuição para lançar os nomes dos devedores inadimplentes. Todavia, impõe a
lei, sem exceção, que deve a empresa negativadora (serasa) proceder a intimação
prévia do interessado, conforme preceitua o artigo 43, § 2, do Código de Defesa do
Consumidor. Restando ausente a notificação, cabível a indenização por danos morais”.
(2ª Seção Cível, Emb. Infr. nº 1460-5/196, de 04/07/2007, rel. Desª. Nema Branco
Ferreira Perilo).
Sobre o valor da indenização, é sabido que deve ser considerada a extensão dos
transtornos sofridos pelo reclamante e a capacidade econômica do responsável, evitando o
enriquecimento ilícito do primeiro e, primordialmente, punir o ofensor, para que não
volte a reincidir na prática ilícita. A só inscrição do nome do autor de
maneira indevida nos serviços de restrição ao crédito atinge sua fama e prestígio, na medida em
que torna pública a suposta inadimplência, com a possibilidade de gerar conseqüências restritivas
do crédito. A fixação não possui critérios objetivos, devendo o magistrado analisar a
situação das partes e as circunstâncias da ocorrência. No presente caso, não entendo
exagerado o valor fixado na sentença, observando o entendimento de que o valor arbitrado não pode ser inexpressivo a ponto de não atingir o objetivo colimado, nem tão pouco excessivo, desproporcional aos danos sofridos, devendo ser observados, então, os critérios da proporcionalidade e razoabilidade. Nesse sentido, está o julgado que se segue:

“(...). 2 - A indenização por dano moral
deve ser arbitrada com moderação e
comedimento, a fim de se evitar o
enriquecimento injustificado, cabendo a sua
redução quando fixada em valor elevado”.
(2ª C. Cív., Ap. Cív. 76419-0/188, de
08/08/2006, rel. Des. Zacarias Neves
Coêlho).


FACE AO EXPOSTO, conheço do apelo e nego-lhe provimento, mantendo intacta a sentença
atacada, por estes e seus próprios fundamentos.
É o voto.
Goiânia, 27 de novembro de 2009.
Desembargador CARLOS ESCHER
RELATOR

APELAÇÃO CÍVEL Nº 1 4 8616-5/188 (200903377130) D E
GOIÂNIA
APELANTE SERASA S/A
APELADO NILTON CARVALHO DE SOUZA JUNIOR
RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER
CÂMARA 4ª CÍVEL
EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. INSCRIÇÃO INDEVIDA. FALTA DE NOTIFICAÇÃO PRÉVIA. ALEGAÇÃO DE PUBLICIDADE SUFICIENTE POR ESTAR JÁ CONSTAR O NOME DO DEVEDOR NO CARTÓRIO DISTRIBUIDOR. 1. A indenização por danos morais deve considerar a extensão dos transtornos sofridos pelo reclamante e a capacidade econômica do responsável, evitando o enriquecimento ilícito do primeiro e, primordialmente, punir o ofensor para que não volte a reincidir na prática ilícita. 2. Imperiosa é a notificação prévia do devedor, anterior à suanegativação, conforme exigência do artigo 43, § 2º, do CDC, mesmo já estando ação a respeito constando do Cartório Distribuidor, uma vez que tal fato não garante, por si só, a ciência pessoal do interessado.
RECURSO IMPROVIDO.
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as retro indicadas.
ACORDAM os componentes da 3ª Turma Julgadora da 4ª Câmara Cível do egrégio Tribunal
de Justiça do Estado de Goiás, à unanimidade de votos, em conhecer do recurso e improvê-lo, nos
termos do voto do Relator. Votaram com o Relator, que também
presidiu a sessão, os Desembargadores Kisleu Dias Maciel Filho e Beatriz Figueiredo Franco.
Presente a ilustre Procuradora de Justiça Doutora Márcia de Oliveira Santos.
Goiânia, 27 de novembro de 2009.
Desembargador CARLOS ESCHER
RELATOR

Minha foto

Advogado, Professor Universitário, Membro da Comissão de Direito Constitucional da OABGO, Pós-graduado em Direito Civil, Processo Civil pela UCAM,  Pós-graduado em Direito Tributário pela UNIDERP, ex-assessor jurídico do TJGO, ex-diretor jurídico do Procon-Goiânia.
 
Top