Embora ainda faça parte de tabelas de bancos, o financiamento de veículos em 60 meses (cinco anos) e as propostas sem entrada sumiram do mercado.Em meio ao cenário recorde de inadimplência no setor, um piso informal tem sido adotado como sinal para a compra: 20% do valor.

"Se passar proposta [de 60 meses ou sem entrada], só é aprovada se for milionário", brinca o presidente da associação das concessionárias Ford, Sergio Zardo.

Segundo ele, o pedido antecipado do mínimo de 20% "evita o constrangimento do cliente" diante de uma possível reprovação da proposta.Hoje, com o maior rigor nas análises, de três a cinco consultas, em cada dez, são aprovadas apenas, o contrário de dois anos atrás.

No balanço do quarto trimestre, quando teve prejuízo de R$ 605 milhões, o Banco Votorantim, um dos maiores em carros usados, informou a adoção do mínimo de 20%.A mudança significa maior prudência em meio ao temor de bolha no setor. 

O percentual garante cobertura para a depreciação do carro no primeiro ano em caso de inadimplência."Sem as medidas do BC (de restrição ao crédito) no fim de 2010, provavelmente a inadimplência estaria bem mais elevada. Isso expõe uma potencial bolha que agora já está com o risco mais reduzido", diz Wermeson França, economista da LCA.Mais do que ter acesso às taxas reduzidas anunciadas pelos bancos, portanto, o desafio para a classe média emergente é conseguir crédito, já que clientes em busca do carro de "entrada" --modelo 1.0 e primeira aquisição-- são os mais afetados nessas condições.

O pênalti se dá tanto pelas restrições como pelas juros maiores."É óbvio que com entrada, eu vou reduzir os compradores, mas o que adianta eu liberar para quem não vai pagar. Para comprar, tem que ter condições", diz a planejadora financeira e professora da FGV, Myrian Lurd.Essa perspectiva levou a Fenabrave, associação que reúne as concessionárias, a revisar de 5,76% para 3,5% previsão de crescimento das vendas para este ano.

POUPANÇA
Segunda Lurd, o rigor maior na concessão de crédito é positivo, pois força o brasileiro a fazer ao menos uma pequena poupança para adquirir o bem. Como condição de compra consciente, Lurd sugere uma entrada de 20% e prazo de até três anos. Ela lembra de custos adicionais, como seguro e IPVA, com os quais a parcela não fica em menos de R$ 1.000, segundo a consultora.Na outra ponta, clientes com capacidade de dar entradas maiores, de 40% a 60%, têm se beneficiado de taxas subsidiadas de até 0,99%.

O incentivo, que ganhou força nos últimos meses, tem função dupla: reduzir estoques e melhorar as carteiras.Os movimentos elevaram a média das entradas nas compras. Foram de 15% para 30% nas lojas Ford e de 37,3% para 41,2% no Votorantim.Mesmo para clientes nessa posição, a recomendação é ter cautela e planejar. "Os juros vão continuar baixos. Não precisa sair correndo para comprar agora.", afirma Lurd.Fonte: Folha Online - 07/05/2012

por GABRIEL BALDOCCHI

Minha foto

Advogado, Professor Universitário, Membro da Comissão de Direito Constitucional da OABGO, Pós-graduado em Direito Civil, Processo Civil pela UCAM,  Pós-graduado em Direito Tributário pela UNIDERP, ex-assessor jurídico do TJGO, ex-diretor jurídico do Procon-Goiânia.
 
Top