Fonte- http://opovo.uol.com.br/opovo/economia/916073.html

Os clientes bancários poderão solicitar a partir do próximo dia 19 o Débito Direto Autorizado (DDA) para pagamento de planos de saúde, mensalidades escolares e financiamentos


05 Out 2009 - 02h05min

O DDA será opcional e deve ser solicitado pelos clientes (Foto: Mauri Melo)
A partir do próximo dia 19, os bancos colocam à disposição dos clientes o DDA (Débito Direto Autorizado). O serviço, uma espécie de boleto eletrônico, visa diminuir a impressão de boletos bancários. O DDA é opcional e deve ser solicitado pelo cliente. A adesão não implica em débito automático das contas. Cada banco definirá em quais canais disponibilizará os boletos eletrônicos, entre eles a internet, o caixa eletrônico e o telefone. As tarifas serão definidas pelas instituições.

Num primeiro momento o sistema será aplicado para o pagamento de mensalidades escolares, planos de saúde, condomínios e financiamentos de imóveis e de veículos. A meta da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) é reduzir a emissão de boletos impressos pela metade nos próximos anos. De acordo com a entidade, de janeiro a setembro foram emitidos 2,4 bilhões de unidades.

Integrante da comissão da Febraban responsável pela implementação do novo sistema, Marcelo Pereira avaliou que o cadastramento de clientes interessados em aderir ao serviço, iniciado em junho, está acima das expectativas. Ele, no entanto, não revelou o número de adesões até o momento.

O crescente acesso dos clientes a serviços bancários via internet ou nos caixas eletrônicos justifica a expectativa positiva em relação ao DDA, disse Pereira. Dados da Febraban indicam que, desde 2000, o uso da internet para a operação de serviços bancários cresceu 292%. Já o acesso a caixas eletrônicos para operações semelhantes teve incremento de 57% em igual período.

Cerca de 70 bancos, que detêm mais de 99,9% da cobrança emitida no país, já aderiram ao DDA para participar diretamente do sistema. O valor dos investimentos do setor financeiro para a implementação do serviço não foi consolidado. Mas só a contratação da empresa de tecnologia Tivit custou R$ 20 milhões. Nos próximos nove anos, mais R$ 77 milhões serão gastos. No ano passado, o setor bancário aportou R$ 16,2 bilhões em tecnologia
--
att,

Nayron D. Toledo Malheiros

nayron.toledo@gmail.com
nayron@tds.adv.br
62 8141 0838
Minha foto

Advogado, Professor Universitário, Membro da Comissão de Direito Constitucional da OABGO, Pós-graduado em Direito Civil, Processo Civil pela UCAM,  Pós-graduado em Direito Tributário pela UNIDERP, ex-assessor jurídico do TJGO, ex-diretor jurídico do Procon-Goiânia.
 
Top