Por Fernando Porfírio

O Tribunal de Justiça de São Paulo arquivou, nesta quarta-feira (16/12), por maioria de votos do Órgão Especial, representação contra o juiz Marco Aurélio Stradiotto, da 3ª Vara Cível de Jundiaí. O juiz era acusado de abuso de autoridade e de agir com excesso ao determinar o cumprimento de ordem judicial contra o banco Itaú. O magistrado teria mandado fechar a agência do banco na cidade para garantir o saque de R$ 455 mil devidos, em razão de decisão judicial, a uma cliente. O fato aconteceu no ano passado. No julgamento ficaram vencidos os desembargadores Valim Bellocchi, Reis Kuntz, Laerte Sampaio, Palma Bisson e Mathias Coltro.

Em junho deste ano, o Tribunal de Justiça atendeu pedido do ministro Carlos Britto, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e colocou à disposição daquela corte o juiz Marco Aurélio Stradiotto de Moraes Ribeiro Sampaio. Inicialmente, a transferência de Stradiotto foi aprovada pelo Órgão Especial para o período de seis meses. O juiz coordena a implantação do Sistema de Gestão da Qualidade no Gabinete do Ministro Ricardo Lewandowski no TSE. Naquela decisão foram vencidos os desembargadores Laerte Sampaio, Munhoz Soares e Reis Kuntz.

“Ele (o juiz Stradiotto) pôs os trens nos trilhos. Por mais de oito meses o magistrado encaminhou notificação ao banco para que este cumprisse a decisão judicial”, afirmou o desembargador Viana Santos, futuro presidente do Tribunal de Justiça, que havia pedido vista do processo depois do voto do desembargador Ivan Sartoti. “Exauriram a paciência do juiz”, completou Viana Santos, apesar de reconhecer que Stardiotto não agiu com a serenidade exigida de um magistrado.

O caso envolvia o processo da professora Marines Cuckarte Rosão. O juiz determinou o pagamento de multa diária pelo descumprimento de decisão judicial. Como a gerência da agência do banco Itaú em Jundiaí não cumpriu a determinação depois de oito meses da citação o juiz entendeu o fato como desobediência. Ele assinou ordem para abrir os caixas e o cofre do banco e resgatar a quantia.

Cinco gerentes da agência do banco, localizada na rua Barão de Jundiaí, 901, no Centro da cidade foram detidos. Eles foram acusados de desobedecer a ordem judicial e acabaram na delegacia, acusados também de desacato. A agência ficou fechada a maior parte do expediente. Depois de prestarem depoimento, os gerentes foram soltos.

Em junho de 2007, a professora Marines Cuckarte requisitou na Justiça intervenção para que o Itaú lhe fornecesse o histórico de movimentações para ingressar com ação contra o Governo Federal. Ela pretendia obter judicialmente diferenças perdidas com os planos Bresser e Collor. Como o banco não cumpriu a decisão do juiz, ele determinou o pagamento de multa diária de R$ 5 mil.

Em março do ano passado, um oficial de justiça compareceu ao banco e comunicou os gerentes de que eles seriam denunciados por crime de desobediência, caso não efetuassem o depósito da quantia na conta da cliente, na agência do banco Nossa Caixa. Como não teve a ordem cumprida, o servidor retornou ao banco acompanhado de uma escrivã, outro oficial de justiça e de Policiais Militares.

Os gerentes Almir Rogério Annibal e Antônio Adriano de Oliveira foram avisados pelos servidores da Justiça. Eles "não deram a mínima atenção", segundo os oficiais, tendo sido necessária a ação policial. Também foram qualificados os gerentes Alexandre Ferreira Lencioni, Marco Antônio Rosa, e Cristiano Orlandi.

O gerente Annibal informou ao escrivão Sebastião e delegada Lígia Capelette Basile Bonito que não foi possível cumprir a ordem judicial porque o cofre do banco é temporizado e não sabia o valor que estava depositado em seu interior. Os demais gerentes afirmaram que não possuem autonomia para decidir pelo pagamento de indenizações.

Por causa da decisão da Justiça, a agência foi fechada para que os oficiais pudessem contar o dinheiro que havia nos caixas e também do cofre, até atingir a quantia determinada pelo juiz Marco Aurélio, para repasse para a conta corrente da cliente, que queria apenas o extrato.

Na época, a direção do Itaú divulgou nota em que sustentava que a ordem judicial para pagamento imediato de toda aquela quantia não era decorrente de nenhuma condenação contra o banco, mas se referia à multa aplicada em decorrência de descumprimento de exibição de documentos. “O banco respeita a decisão do Juízo da 3a Vara Cível de Jundiaí, mas se reserva o direito de discutir o valor em juízo", completava o Itaú na nota. O argumento do banco era de que só poderia transferir recursos no limite de R$ 3 mil. Qualquer quantia superior a esse valor dependia de autorização da direção da instituição financeira.

“Houve desobediência por parte do banco que não cumpriu decisão judicial”, disse o desembargador Ivan Sartori, que conduziu a divergência e será responsável pelo acórdão. “Perturbaram o juiz e não respeitaram sua decisão”, disse Sartori. “O magistrado não pode ser punido por um ato processual”, completou.

Minha foto

Advogado, Professor Universitário, Membro da Comissão de Direito Constitucional da OABGO, Pós-graduado em Direito Civil, Processo Civil pela UCAM,  Pós-graduado em Direito Tributário pela UNIDERP, ex-assessor jurídico do TJGO, ex-diretor jurídico do Procon-Goiânia.
 
Top